quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Diabéticos participam de reunião na Secretaria de Saúde do Piauí


De acordo com Jeane Melo, coordenadora do movimento dos diabéticos de Teresina, atualmente a Fundação Municipal de Saúde não fornece os medicamentos com regularidade.


Representantes do movimento dos diabéticos de Teresina, o deputado estadual Luciano Nunes e os técnicos da Secretaria de Saúde do Estado do Piauí (SESAPI), participaram hoje (22), de reunião onde foram debatidas questões referentes à entrega de medicamentos que possibilitam uma humanização do tratamento da doença. O encontro foi solicitado pelo deputado tucano e prontamente atendido pela secretária de Saúde, Lílian Martins, que comprometeu-se a trabalhar para garantir respostas às reivindicações dos diabéticos.

Imagem: Divulgação/GP1Reunião(Imagem:Divulgação/GP1)Reunião

No encontro, foram relatadas aos técnicos da Secretaria de Saúde as principais dificuldades enfrentadas pelos diabéticos em Teresina para garantir a medicação necessária ao tratamento. De acordo com Jeane Melo, coordenadora do movimento dos diabéticos de Teresina, atualmente a Fundação Municipal de Saúde não fornece os medicamentos com regularidade. Os representantes reivindicam também insumos mais modernos para o tratamento da diabete tipo 1 como canetas para aplicação de insulina, lancetas, fitas e glicosímetros.

“Os diabéticos sofrem com uma grande burocracia para receberem a medicação via Fundação Municipal de Saúde. Além disso, não há uma entrega regular dos medicamentos, o que dificulta ainda mais o tratamento dessa doença que é crônica, silenciosa e que mata. Portanto, essa reunião foi bastante esclarecedora, uma vez que conhecemos como funciona a dinâmica da Secretaria de Saúde no que diz respeito ao atendimento aos diabéticos. Nossa luta agora será para incluir a medicação mais moderna do tratamento na lista de medicamentos ofertados pelo SUS”, afirmou Jeane Melo, coordenadora do movimento dos diabéticos de Teresina


Segunda a diretora de Vigilância e Saúde da SESAPI, Telma Evangelista, há uma estimativa no Estado de 100 mil diabéticos, sendo que desse total 10 mil são insulinos dependentes. “ No que tange ao tratamento da diabetes, o Estado, o município e a União têm responsabilidades. O Estado pactuou com os municípios a questão dos medicamentos, as farmácias populares já disponibilizam alguns remédios e cabe ao Estado também fornecer as tiras reagentes e as lancetas aos municípios. Já fizemos um estudo para saber os custos para a aquisição das canetas descartáveis e o tema será contemplado no Plano Plurianual do Estado. Iremos também levar a temática ao Ministério da Saúde e procurar resolver os principais entraves no que diz respeito ao tratamento da diabetes”, explicou a diretora.


Para o deputado Luciano Nunes, que propôs a reunião, o tratamento da doença ainda é visto de forma muito generalizada pelo poder público e há uma necessidade urgente de humanização do tratamento “ Solicitamos essa reunião por entendermos que a diabete é uma doença que tem crescido assustadoramente nos últimos anos e o poder público não tem dado a devida atenção aos portadores desse mal crônico. Conseguimos listar alguns encaminhamentos nessa reunião como incluir no orçamento do Plano Plurianual do Estado a questão da compra das canetas descartáveis, a quantidade e qualidade das lancetas que são ofertadas, a entrega de glicosímetros, bem como levar todas essas reivindicações ao Ministério da Saúde. Ficou acertado também que será realizada uma campanha preventiva e educativa sobre a doença”, destacou o parlamentar.


O deputado tucano irá também apresentar um projeto de lei na Assembleia Legislativa do Piauí que defina de forma mais clara as responsabilidade do Estado e municípios no que diz respeito a entrega de medicamentos e tratamento da diabetes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário